De revogação da reforma a privatizações: as propostas dos presidenciáveis para o trabalhador

Confira as ideias de cada candidato para enfrentar os problemas que afligem os

trabalhadores, como o desemprego, a queda na renda e a inflação

 

O 1º de Maio deste ano se realizou num cenário de crise: cerca de 11% dos trabalhadores brasileiros estão desocupados, o ganho de quem trabalha é menor do que o de dez anos atrás e a inflação, a maior em 27 anos. Pré-candidatos a presidente dizem que têm a solução para esses problemas. Mas, afinal, quais as propostas de cada um deles para gerar emprego e renda, e melhorar a vida do trabalhador?

Lula

O ex-presidente e pré-candidato Luiz Inácio Lula da Silva (PT), líder nas pesquisas de intenção de voto para as eleições de 2022, tem dito que pretende rever a reforma trabalhista de 2017. Idealizada pelo governo do ex-presidente Michel Temer (MDB), a reforma flexibilizou os contratos de trabalho com a promessa de criar 6 milhões de empregos. Desde que ela entrou em vigor, no entanto, o desemprego não caiu.

Segundo a equipe da pré-campanha, Lula também pretende aumentar investimentos públicos para aquecer a economia e gerar emprego. O petista, aliás, já criticou a lei do teto de gastos, que limitou o crescimento dos gastos de governo.

Bolsonaro

O atual presidente Jair Bolsonaro (PL), que pretende concorrer à reeleição, também já disse ser favorável a uma mudança no teto de gastos. Por outro lado, o governo defende a reforma trabalhista e já propôs inclusive novas flexibilizações de contratos de trabalho, argumentando que a redução de obrigações tende a fazer empresários contratarem mais.

Bolsonaro também tem dito que a privatização de empresas públicas e a concessão de aeroportos, portos e estradas à iniciativa privada pode aumentar os investimentos no país, gerando empregos.

Ele aparece atualmente como segundo colocado nas principais pesquisas eleitorais.

Ciro

Terceiro colocado nas pesquisas de intenção de voto, Ciro Gomes (PDT) já disse que pretende revogar a reforma trabalhista de 2017 e a lei do teto de gastos. Ele também pretende rever desonerações fiscais e taxar fortunas para criar um plano de investimento para que o governo aporte R$ 3 trilhões na economia em dez anos.

Com esse dinheiro, Ciro promete criar uma frente de trabalho e iniciar um conjunto de obras públicas, criando 2 milhões de empregos em dois anos.

Doria

João Doria (PSDB) é o quarto pré-candidato em pesquisas eleitorais. Ele declarou ao Brasil de Fato que deve focar seus esforços na qualificação da mão de obra, caso seja eleito, para aumentar a produtividade dos trabalhadores. “A baixa remuneração e a elevada informalidade são também subprodutos desse grave problema de reduzida produtividade do trabalho”, pontuou.

O pré-candidato defende mudanças no Ensino Médio e Ensino Superior para preparar estudantes para o mercado de trabalho. Declarou também que é necessário dar atenção “à proteção dos chamados ‘uberizados’”.

Tebet

A senadora Simone Tebet é a pré-candidata do MDB à Presidência. Ao Brasil de Fato, ela defendeu o programa de concessões de Temer, seu colega de partido, e disse que ele pode gerar empregos. “Pretendemos aprofundar o programa de concessões lançado no governo Temer e que vem rendendo frutos até hoje”, disse.

Tebet afirmou que a geração de empregos depende de um melhor ambiente econômico no país, que por sua vez viria a partir de uma política “menos beligerante e mais comprometida com os reais interesses do país”. “Será fundamental recuperar o diálogo entre governo, trabalhadores e empresários”, afirmou.

Sofia Manzano

A economista e pré-candidata à Presidência Sofia Manzano (PCB) apresentou sete propostas para geração de emprego e melhoria da qualidade de vida do trabalhador ao Brasil de Fato. Entre elas está a revogação da reforma trabalhista, a redução da jornada de trabalho sem redução de salários e o aumento do salário mínimo para mais de R$ 6 mil.

Manzano também defende a ampliação dos serviços públicos e a realização de concursos para contratação de servidores. A pré-candidata prometeu reforma agrária e reestatização de empresas privatizadas nos últimos governos “com objetivo estratégico de estabelecer programa de emprego para jovens”.

Vera Lúcia

A pré-candidata Vera Lúcia (PSTU) também enviou sete propostas ao Brasil de Fato. Ela pretende dobrar o salário mínimo em três anos e reduzir a jornada de trabalho mantendo salários. Também defendeu a revogação da reforma trabalhista e o fim de toda política de precarização do trabalho.

Vera também pretende expropriar 315 bilionários brasileiros e não pagar a dívida pública. Usando os recursos, quer criar “um plano de obras públicas para construir 6 milhões de casas e saneamento básico”.

André Janones

O deputado federal André Janones é pré-candidato a presidente pelo Avante. Janones tem dito que seu eventual governo terá como objetivo central a redução da desigualdade.

Para Janones, com uma reforma tributária e redução da taxa de juros, o governo tiraria dinheiro de ricos e o destinaria a pobres. Isso geraria consumo e empregos.

Felipe d’Avila

O cientista político Felipe d’Avila, pré-candidato pelo Novo, defende a abertura da economia brasileira a investimentos privados e estrangeiros, com o objetivo de reduzir o desemprego. D’Avila é favorável a concessões de bens públicos à iniciativa privada.

Fonte: Brasil de Fato

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.