Centrais preparam dia nacional de luta contra reforma da Previdência

As Centrais Sindicais CUT, Força Sindical, UGT, CTB, CGTB, CSB, Intersindical e Conlutas estiveram reunidas nesta segunda (16), na sede da CUT em São Paulo, para definir a participação das representações dos trabalhadores na Greve Global pelo Clima, na sexta (20), na avenida Paulista, e no Ato contra a reforma da Previdência do dia 24, no Senado Federal, no dia marcado para a votação da PEC 6/2019.

Adilson Araújo, presidente da CTB, aponta a relação direta entre a luta dos trabalhadores e a defesa do meio ambiente. “A grave crise do sistema capitalista, gera desemprego e tragédias ambientais. Em Brumadinho e Mariana, as principais vítimas foram os trabalhadores e seus familiares. No Brasil, com as queimadas e o desastre político do governo Bolsonaro, a coisa só piora”, argumenta Adilson.

Masp – Portanto, no dia 20, os trabalhadores estarão presentes em frente ao Masp, às 17h30, junto com a Coalizão pelo Clima, articulação que reúne quase 70 organizações da sociedade civil, e as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, para lutar em defesa do meio ambiente, bandeira que se soma às tradicionais de defesa dos direitos trabalhistas, da aposentadoria e contra o desemprego. Também estão previstas manifestações nas seguintes cidades: Belo Horizonte, Brasília, Florianópolis, Recife e Salvador.

Brasília – Douglas Izzo, presidente estadual da CUT, informa que a mobilização em Brasília, no dia 24, começará cedo, com os trabalhadores no aeroporto de Brasília pressionando os senadores que chegam para a votação e durará o dia inteiro no Congresso Nacional. “A luta contra a reforma da Previdência continua, os parlamentares precisam estar cientes do desgaste que terá quem votar contra os trabalhadores. Vamos resistir até o fim”, enfatiza Douglas.

Idade – “A luta contra a idade mínima não está perdida”, diz Wagner Gomes, secretário-geral da CTB. “Em áreas com a construção civil e o comércio, em que é normal que o trabalhador alterne períodos curtos com carteira assinada com outros desempregado, se você exigir 40 anos de registro com 65 de idade, muita gente não conseguirá se aposentar. Precisamos reverter essa e outras maldades da reforma”, diz Gomes.

Mais informações nos sites www.cut.org.br e https://ctb.org.br/

Fonte: Agência Sindical

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *