Centrais convocam União Nacional contra o Vírus e a Crise

O jornal O Globo de sábado, 6, publicou “Seguir unidos para lutar pela vida”, artigo assinado pelos presidentes da CUT, Força Sindical, UGT, CTB, Nova Central e CSB. No texto, as entidades ressaltam que “a economia deve atender ao interesse coletivo e ao Estado cabe coordenar estratégias de recuperação”.


“Em nosso entendimento a vida deve ser priorizada sobre qualquer outro aspecto. Assim, para nós, sindicalistas, a economia deve atender ao interesse coletivo e ao bem comum”, escrevem os dirigentes.


Ante o agravamento da crise sanitária e econômica, o texto chama atenção do governo para medidas de contenção do vírus, como o isolamento social. “Mas, ao invés disso, além de provocar aglomerações, o presidente alega não ter recursos para garantir a renda das famílias e o financiamento das empresas durante a pandemia”, diz o texto.


Os sindicalistas apontam caminhos. Dizem, no artigo: “O caminho pra superar a crise é o da união nacional entre governantes, parlamentares, juízes e promotores, gestores públicos, empresários, líderes comunitários, ativistas, artistas, intelectuais, jornalistas e todas as pessoas de bem, pelo nosso querido Brasil”.

Confira:

Defender a vida, o emprego, a renda e a democracia

Atravessamos uma gravíssima crise sanitária. E o Brasil, nas mãos de um Governo Federal que se nega a seguir as orientações da OMS, ostenta a vergonhosa segunda posição no ranking global de número de mortes!Quem paga o alto preço por essa irresponsabilidade é a população mais vulnerável, os trabalhadores/as, os mais pobres, as mulheres, os negros e os povos indígenas. Por isso, o movimento sindical está na linha de frente dessa luta! Lutamos para aumentar os míseros 200 reais de auxílio emergencial proposto pelo governo, e ganhamos essa batalha com o Congresso Nacional, alcançando o valor de 600 reais (embora o governo ainda queira diminuir esse valor e esteja criando dificuldades para realizar os pagamentos daqueles que tem direito).

Defendemos proteger o emprego e a renda através de acordos sindicais decididos pelos próprios trabalhadores em assembleias. E defendemos subsídios para a manutenção de micro, pequenas e médias empresas.Temos propostas para a retomada da economia, quando for possível fazê-la garantindo a saúde da população. Propostas voltadas a um desenvolvimento soberano balizado pela justiça social. Mas boas intenções, como as nossas, têm sido represadas pela má vontade do Governo Federal, que cria, intencionalmente, instabilidades financeiras para trabalhadores, empresas, governos estaduais e prefeituras.Nosso repúdio à postura retrógrada, elitista, antissocial e autoritária do presidente Jair Bolsonaro! Ele quer nos calar, mas não vamos esmorecer!Nós, sindicalistas, nos somamos às diversas entidades nacionais que se colocam através de manifestos, em defesa do Brasil e da democracia, defendendo a pauta dos trabalhadores!Seguimos na luta pela vida, pela democracia, por bons empregos, pela valorização dos salários, pela união nacional e pela construção de um mundo melhor!

São Paulo, 8 de junho de 2020

Sérgio Nobre–Presidente da CUT (Central Única dos Trabalhadores)

Miguel Torres–Presidente da Força Sindical

Ricardo Patah–Presidenteda UGT (União Geral dos Trabalhadores)

Adilson Araújo–Presidente da CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil)

José Calixto Ramos–Presidente da NCST (Nova Central Sindical de Trabalhadores)

Antônio Neto–Presidente da CSB (Central dos Sindicatos Brasileiros)

Fonte: Agência Sindical

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *