“Construir o debate eleitoral é dever dos Sindicatos”, afirma coordenadora do FST

“Ninguém quer o Brasil como ele está hoje, com 13 milhões de desempregados, indústrias que fecham… Estamos sem uma perspectiva de desenvolvimento, a gente não sabe se vai ter saúde e educação”. Com essas palavras, a dirigente metalúrgica Mônica Veloso resumiu à Agência Sindical o sentimento geral do povo em relação à situação do País.

Coordenadora do Fórum Sindical dos Trabalhadores e dirigente da Confederação da categoria, ele disse que o sindicalismo não deve se deixar contaminar por esse desalento. Principalmente em relação ao processo eleitoral deste ano.

“A gente vive uma situação difícil e é normal que as pessoas estejam desgastadas. Mas é exatamente por essa razão que o movimento sindical, a classe trabalhadora, os movimentos sociais precisam se engajar para que as pessoas percebam a importância de votar em 2018. Não votar faz com que tudo permaneça com está”, sublinha.

Mônica destaca que o ataque a direitos trabalhistas, além de outras medidas que cortam direitos sociais, aprovadas pelo Congresso Nacional, só refletem uma correlação de forças desfavorável aos interesses populares na Câmara e no Senado Federal.

De acordo com a dirigente, para que uma mudança ocorra é fundamental que os Sindicatos apontem aos trabalhadores de suas bases a importância do voto consciente. “Você tem redes sociais, sites, informação em muitos lugares para ver as propostas do candidato; ver quais os compromissos que ele tem com o desenvolvimento, com a classe trabalhadora, com as políticas sociais, com as questões das mulheres, dos negros e dos jovens”, diz.

“Os dirigentes não devem ter medo de falar de política nos locais de trabalho, de trazer o debate político para dentro do Sindicato”, enfatiza. Mônica completa: “Nas eleições, o poder de decisão está de fato colocado nas mãos do povo e o papel do sindicalista como agente social e político é de não se omitir. Construir o debate é dever dos Sindicatos”.

Fonte: Agência Sindical

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *