Clemente Ganz: Meta fiscal de Temer vai custar caro para trabalhador

Clemente Ganz, diretor-técnico do Departamento Intersindical de Estudos Socioeconômicos (Dieese), afirmou que a condução econômica do governo de Michel Temer é “extremamente nefasta para a sociedade e traz um custo social enorme”. Ele se referiu à projeção da meta fiscal, que mais uma vez teve seu anúncio adiado pelo governo. O déficit a ser anunciado deve ser de R$ 159 bilhões para este ano, mas há quem defenda no governo que a revisão defina um déficit de R$ 170 bilhões.

Por Railídia Carvalho

De acordo com ele, a política econômica atual, baseada em ajuste fiscal e aprovação de reformas, vai retardar a retomada do crescimento. No rastro desse “equilíbrio nas contas” do governo virá um efeito cascata devastador.

“Atender a meta fiscal da maneira como o governo se propõe torna o efeito recessivo dos cortes continuado. Se as pessoas têm menos renda, consomem menos, portanto, a economia produz menos. Não gira a economia”, explicou Clemente.

“Sem perspectiva de retomada, as empresas vendem ou demitem para não aumentar a dívida. O desempregado fica mais tempo sem trabalho e sem salário. Aqueles que estão empregados continuam inseguros se ainda terão o emprego no dia seguinte”, comparou Clemente.

Além de afetar o mercado de trabalho, a opção de Temer em aumentar o déficit vai comprometer mais ainda serviços públicos de saúde e educação, observou Clemente.

“O governo vai comprometer impostos futuros sem aumentar a capacidade produtiva do Estado. Vai gastar mais dinheiro nosso para pagar juros da dívida. São recursos que iriam para saúde e educação”, ressaltou.

Clemente projeta que o nível de endividamento do Estado brasileiro vai ficar em níveis insustentáveis. “É como se o trabalhador pegasse um empréstimo para comprar o almoço todo dia. Pegou tanto emprestado para consumir e não conseguiu produzir nada e fica cada vez mais endividado”, exemplificou.

Para o diretor do Dieese, “o Estado tem a capacidade de se endividar mas se não for para aumentar a capacidade produtiva da economia, ele gera um desequilibro gasta cada vez maior com gasto estéril”.

Clemente declarou que o aumento do deficit para R$ 159 bilhões demonstra que o impeachment contra a presidenta eleita Dilma Rousseff foi motivado por causas políticas.

“À época da Dilma o rombo de R$ 70 bilhões era um absurdo. Agora é de R$ 160 bilhões e tem que aceitar, não é mais ela”, ironizou Clemente.

“Os caras não só disseram que era uma loucura [o deficit de R$ 70 bilhões], mandaram ela embora. Agora propõem mais que o dobro de deficit e estão falando em aumento de impostos. É a caracterização que o impeachment dela significou decisão política. Não teve nada a ver com os fatos”, enfatizou Clemente.

De acordo com ele, ficou para trás a concepção de ver o país crescer para gerar bens para todos. “Estão produzindo um país para que os capitalistas, principalmente as multinacionais, venham para cá valorizar sua riqueza. Isso é uma tragédia para a sociedade.”

Fonte: Portal Vermelho

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *