Centrais Sindicais vão massificar posição unitária acerca da Previdência

João Carlos Gonçalves (Juruna), secretário-geral da Força Sindical, faz balanço positivo dos dois dias do Seminário “Reforma da Previdência – Desafios e Ação Sindical”, terça e quarta (7 e 8), no Sindicato dos Padeiros, em São Paulo. O evento foi coordenado pelo Dieese, que divulgou a Nota Técnica 168 – “A minimização da Previdência Pública” – para os participantes.

Além do esforço unitário do sindicalismo, ante uma reforma drástica e lesiva, Juruna destaca a qualidade das palestras e dos debates. Ele afirma: “O Seminário reuniu nove Centrais, centenas de dirigentes e palestrantes com muito conhecimento técnico sobre o tema. Acho importante também frisar a diversidade de enfoques a respeito da questão”.

Documento – CUT, Força, UGT, Nova Central, CTB, CSB, CGTB, Intersindical e CSP-Conlutas, com o suporte de seus técnicos e do Dieese, redigirão documento com as principais conclusões do Seminário. Segundo Juruna, “o sindicalismo vai divulgar essas posições e buscar ganhar não só o apoio das bases, mas também da sociedade”.

Congresso – Ficou definido, ainda, que, dia 22, o movimento sindical fará corpo a corpo no Congresso Nacional. Juruna adianta que os dirigentes vão tratar com os presidentes da Câmara e do Senado e também com os líderes dos partidos representados nas Casas.

Não só dia 22, porém. A orientação é que as estaduais das Centrais organizem encontros e ações junto às bases dos parlamentares em seus Estados e regiões eleitorais.

Pontos – De acordo com o secretário-geral forcista, os pontos da reforma mais criticados são a imposição de novo teto, sem distinção entre homem e mulher, a regra de transição, onde se obriga o recolhimento por 49 anos para recebimento do benefício integral, e a desvinculação dos benefícios do valor do salário mínimo, atingindo diretamente os já aposentados.

Qualidade – Juruna destaca o papel do Dieese no debate sobre Seguridade Social. “Acho importante valorizar não só a qualidade técnica do Dieese, mas também o fato de o sindicalismo brasileiro ter criado e sabido manter esse órgão unitário e plural de assessoramento às nossas lutas e demandas”.

Fonte: Agência Sindical

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *